25 de janeiro de 2009

Fatos históricos de Gotham City

Além de ser uma importante cidade dentro do Universo DC, Gotham City tem uma atmosfera das mais envolventes entre os cenários de ficção. O lar do Cavaleiro das Trevas é uma daquelas cidades que podem ser consideradas um personagem a mais nas histórias, emanando sentimentos como um ser pensante. Esta lista de momentos históricos e marcantes de Gotham é para mostrar como essa metrópole tem história tão extraordinário quanto seu maior herói, o Batman.

ASSASSINATO DE THOMAS E MARTA WAYNE
Não é só porque deste terrível acontecimento nasceu um dos mais importantes super-heróis do Universo DC, mas também porque a morte dos pais de Bruce Wayne é um marco na história recente de Gotham. Todos os seus cidadãos acreditam que o crime alcançou seu ápice com esse chocante assassinato, fazendo que a cidade se tornasse ainda mais sombria e com o aspecto decadente que possui até hoje.

FUNDAÇÃO DO ASILO ARKHAM
Desde que foi criado, muito antes de se tornar a prisão para os insanos inimigos do Batman, o Asilo Arkham mostrou-se um lugar fora do normal. Já na época em que era dirigido por Amadeus Arkham, o lugar demonstrava ter uma maior capacidade para enlouquecer ainda mais aqueles que viviam ali do que para curá-los. Não é à toa que todos aqueles que se aventuraram pelo local passaram por experiências insanas.

TERREMOTO E A TERRA DE NINGUÉM
Em tempos mais recentes, já na época do Batman, Gotham enfrentou uma seqüência de catástrofes que quase acabou com sua população, física e espiritualmente. Depois de uma epidemia de um vírus lançado pelo vilão Ra’s Al Ghul, boa parte de Gotham foi destruída por um forte terremoto que obrigou muitos de seus moradores a abandonar suas casas e sair da cidade. Mas o pior golpe veio quando o congresso dos EUA decidiu declarar Gotham como Terra de Ninguém, abandonando aqueles que ficaram à própria sorte em meio a ondas de violência envolvendo todos os vilões que estavam à solta, gangues e milícias de polícias corruptos. Entre eles e os cidadãos, apenas o Batman e seus Cavaleiros de Gotham .

JOGOS DE GUERRA
Pouco tempo depois de se recuperar do período após o terremoto, o povo de Gotham passou por outro tipo de provação. Tudo começou quando a Salteadora, na época atuando como a nova Robin, decidiu fazer algo para conquistar a confiança e o respeito do Batman e, tendo se apoderado de um dos planos de contenção do crime do Morcego, o colocou em prática. Mas ela não sabia que um elemento importante do plano era Fóforos Malone, um disfarce do próprio Batman. O resultado foi uma guerra de gangues que quase destruiu Gotham mais uma vez e acabou com a morte da Salteadora e o fim do bom relacionamento do Batman com a polícia.

UM ANO SEM BATMAN
Durante o ano que se seguiu à Crise Infinita, Gotham viveu sem a proteção do Cavaleiro das Trevas e seus aliados. Nesse período, a cidade ficou sobe os cuidados de um regenerado Harvey Dent (o vilão Duas-Caras), além do Questão e da ex-detetive Renée Montoya.

Fonte: www.popbaloes.com

Resenha do quadrinista Vergueiro

Em nova revirada nos baús de textos publicados na web sobre o Dicionário do Morcego, encontrei essa resenha do coordenador dos cursos sobre histórias em quadrinhos da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), professor Waldomiro Vergueiro. Deixo aqui mais esse arquivo para o clipping eletrônico deste bat-blog.

Um dicionário sobre o Batman

Waldomiro Vergueiro

No embalo do lançamento do último filme do Cruzado de Capa, já se encontra nas livrarias e lojas especializadas brasileiras o Dicionário do Morcego, uma verdadeira enciclopédia com 1.500 verbetes sobre o Batman, criado para os quadrinhos pela dupla Bob Kane e Bill Finger. Elaborado pelo jornalista Silvio Ribas, o livro representa a realização de um velho sonho do autor, desde sua infância um grande aficionado pela figura do Homem-Morcego.

Apresentando informações sobre inimigos e aliados do herói, os diversos autores que a ele se dedicaram em seus 66 anos de publicação e detalhando seu aparecimento nas diversas mídias, mas englobando também diversas curiosidades relacionadas à personagem, a obra busca proporcionar um guia detalhado sobre um dos maiores fenômenos da história em quadrinhos mundial, proporcionando aos leitores de língua portuguesa uma fonte rápida e segura para informações sobre o seu universo.

Trata-se de uma obra de paixão, que busca fazer uma homenagem a um dos maiores mitos da literatura gráfica do século 20. O texto é baseado em prolongado trabalho de pesquisa de seu autor, que durante anos confeccionou informações sobre as diversas encarnações da personagem, leu dezenas de obras monográficas e artigos sobre o Batman e manteve uma frutífera troca de informações com leitores e colecionadores de diversas partes do mundo. Tudo isso lhe possibilitou organizar um compêndio bastante detalhado sobre seu objeto de pesquisa, apresentando uma cronologia de sua trajetória, desde seu aparecimento, na revista Detective Comics n. 27, de maio de 1939, até o lançamento do filme Batman Begins, em junho de 2005.

Como obra dedicada a um personagem emblemático dos quadrinhos, o livro do jornalista mineiro vem somar-se a outras ótimas publicações disponíveis na literatura mundial, como Batman unmasked, de Will Brooker; Batman: the ultimate guide to the Dark Knight e The Batman Handbook, ambos de Scott Beatty; Batman: the complete history, de Les Daniels e Chipp Kid; e Tales of the Dark Knight, de Mark Cotta-Vaz.

Ainda que em alguns momentos o livro possa soar como exagerado ou excessivamente laudatório ao Cruzado de Capa, o Dicionário do Morcego é, sem dúvida, um texto que merece ser incluído nas bibliotecas de todos aqueles que se interessam pelo herói, bem como representa uma ótima contribuição ao seu estudo acadêmico. Publicado pela Flama Editorial, o Dicionário do Morcego tem 276 páginas e custa 35 reais, podendo ser encontrado nas lojas especializadas em quadrinhos.

Fonte: www.poppycorn.com.br (16/07/2005)

TDK merecia Oscar de melhor filme

O site www.gothamcity.com.br nos lembra que Batman - O Cavaleiro das Trevas (The Dark Knight), de Chris Nolan, está concorrendo a oito estatuetas do Oscar 2009. Na cabeça da lista de indicações está a para Heath Legder, como ator coadjuvante, um merecidíssimo prêmio póstumo. Tem também: Direção de Arte, Fotografia, Edição, Mixagem de Som,,Edição de Som, Efeitos Especiais e Maquiagem. A exceção, me corrijam se estiver errado, foi mesmo a estréia dos bat-filmes na briga por uma categoria de elenco. Todos os filmes da franquia, inclusive o criticadíssimo Batman & Robin (1997), de Joel Schumacher, concorreram nas chamadas categorias técnicas (som, fotografia, efeitos especiais, whatever). Contudo, o sucesso arrebatador de crítica e de público credenciaria a sequência de Batman Begins (2005) ao prêmio maior, de melhor filme. E Nolan também podia estar na lista dos indicados a melhor diretor. O desempenho excepcional do Coringa encarnado pelo jovem Ledger, morto há um ano por overdose de medicamentos, parece mesmo consenso. Mas o preconceito com filmes baseados em heróis de quadrinhos impediu a Academia premiar o também chamado "Poderoso Chefão" de Batman. The Oscar (don't) goes to...