9 de maio de 2009

Bat-gibis clássicos

BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS (1986)
A obra do roteirista e desenhista Frank Miller é considerada “o” marco nas histórias em quadrinhos, a ruptura definitiva com a visão infantilizada dessa arte e a elevação ao seu merecido lugar de destaque. Na história, um Bruce Wayne (Batman) com pé na terceira idade deixa a aposentadoria para pôr ordem num mundo caótico, ao lado de uma Robin menina. Sua luta contra o Superman é antológica. Apesar do grande sucesso, sua continuação decepcionou.

BATMAN – ANO UM (1987)
Essa história escrita por Frank Miller e desenha por David Mazzuchelli conta detalhes da vida de Bruce Wayne depois que seus pais foram mortos por Joe Chill e o tumultuado ano de sua estréia como Batman. O filme Batman Begins foi explicitamente inspirado nesse gibi.

O MESSIAS (1988)
Deacon Blackfire, um ambicioso líder religioso, domina Gotham City com uma série de ações combinadas. Nessa minissérie em quatro partes, escrita por Jim Starlin e que leva o título The Cult no original, Batman é preso e drogado. O comissário James Gordon é baleado e corre risco de vida. No caos, a cidade se isola. A arte dessa leitura essencial na bibliografia batmaníaca é de Bernie Wrightson.

A PIADA MORTAL (1988)
A relação neurótica entre Batman e Coringa é apresentada com roteiro (Alan Moore) e arte (Brian Bolland) refinados. As características dos personagens são confrontadas como que para justificar o perfil de cada um. A festejada história em quadrinhos, que recebeu várias reedições mundo afora, narra também memórias sobre os primeiros passos no crime do arquiinimigo do Morcegão. O epílogo é surpreendente.

O LONGO DIA DAS BRUXAS (1996-1997)
História em quadrinhos clássica que serviu de inspiração para Batman – O Cavaleiro das Trevas, último filme do herói. Nessa aventura, o Homem-Morcego enfrenta a família mafiosa de Sal Maroni e um assassino serial que se pauta pelo calendário: só mata em feriados. A série ganhou uma bela seqüência: Vitória Sombria.

BATMAN – SILÊNCIO (2002-2003)
Uma mistura de drama pessoal com grande orquestração criminosa. É assim que o complexo roteiro de Silêncio (Hush, no original em inglês), assinado por Jeph Loeb, resultou em um dos maiores sucessos de vendas de gibi de todos os tempos. Sob a arte dinâmica de Jim Lee surgem praticamente todos os principais nomes do universo de Batman. A novidade está no implacável e misterioso vilão Hush, que lembra o personagem título de Darkman – Vingança Sem Rosto (1990), filme dirigido por Sam Raimi.