14 de junho de 2010

Mais Kick-Ass ou Batsquad

Crítica da Veja: Heróis supernormais, vem aí Kick-Ass (14/06/2010)

por Isabela Boscov

Dave Lizewski não é atleta do time de futebol da escola nem gênio da matemática; não é popular, mas também não é um coitado torturado pelos colegas. É um menino comum sob a aflição banal de ser adolescente. Dave, porém, acha que há uma cura para esse mal: com uma roupa de mergulho verde encomendada pela internet e dois bastões presos às costas, mais um pouco de treino (basicamente, poses intimidadoras praticadas diante do espelho), crê, ele pode virar Kick-Ass, super-herói contra o crime em Nova York. Dave não é idiota. Ele apenas lê quadrinhos. E os quadrinhos e os filmes baseados neles, como Homem-Aranha, X-Men e Batman, argumentam que é justamente das aflições íntimas que nascem os superpoderes ou, na ausência destes, a superdeterminação. (...)

Kick-Ass é o Batsquad!


Não demora poucos segundos para perceber que o filme Kick-Ass - Quebrando Tudo, que irá em cartaz nos próximos dias, é mais uma paródia do universo do Homem-Morcego. Dentre os vários super-heróis mais "realistas" está um time que lembra a família Batman, o Batsquad. A dupla dinâmica pai e filha, Big Daddy (Nicolas Cage) e Hit-Girl (Chloe Grace Moretz), são uma versão mais violenta e improvável dos originais. Estou errado? Precisava conhecer a HQ de Mark Millar na qual o roteiro foi baseado. Vou precisar ver o blockbuster para recolher mais evidências. Mas basta ver as fotos para reparar nas intencionalidades. Até a desenvoltura audaciosa da menina mascarada (o destaque da fita) nos trailers no Youtube lembra os tempos de criança de Dick Grayson. Para completar, vi no personagem Red Mist (Christopher Mintz-Plase) uma alusão ao Robin III de Tim Drake. Alguém aí, please, me ampara nesse post?